Autor: Ronaldo Nunes
•2/20/2011 02:03:00 PM

Diga a verdade
Diga-me...
Mas
diga com sinceridade
Diga...
Mas não regrida
Diga ...
De frente pra trás
Diga ...
De trás pra frente
Diga...
Pois nem sempre quem cala consente
E o silêncio
Só faz
confundir minha mente

...

Diga!!
Desfaça a incógnita que há
Diga !!
Não ouse calar
Diga !!
Cabe a ti um pouco ousar
Diga!!
O que em ti se pode achar
Diga!!
Para no que foi dito, eu possa me encontrar.



Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 2/20/2011 02:03:00 PM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

4 comentários:

On 20 de fevereiro de 2011 14:58 , Carmen Regina Dias disse...

Poesia chama Poesia.


Da janela dos sentires vejo
o que de cima do muro não veria:
alongam-se os braços do tempo ,
a seda finíssima do seu manto esvoaça ao vento.

Como sáo belos os braços do vento!
[ouso imaginar o seu olhar],
Silencio [para ouvi-lo e senti-lo
soprando a nuca do poeta].

Sáo longos, fortes e macios os braços do vento.
Poesia, se os sentisse em suas curvas sentimento,
por certo se derreteria.
[Ouso imaginar seus lábios...]
em chamas morreria o poeta.

Ah, essa flor na boca do abismo...
perfume chamando ao mergulho nas
profundezas.
[Imagino o paraíso, as maçãs exalando ]...

 
On 20 de fevereiro de 2011 18:39 , Roberta disse...

Amei... sempre perfeito c as palavras....!

 
On 20 de fevereiro de 2011 19:23 , André Luis de Vasconcelos disse...

salve guerreiro bela poesia assim k é

 
On 21 de fevereiro de 2011 13:51 , RosaMaria disse...

Olá poeta
Boa tarde

Diga-me
Se ainda somos reféns de um futuro criado ha um tempo atrás?
Se ainda somos reféns de uma felicidade guardada em um criado-mudo?
A espera de dias melhores?
Então me diga...

Beijos!
Excelente poesia