Autor: Ronaldo Nunes
•2/10/2011 06:41:00 PM

Fácil ser doutor de doenças alheias
Apontar a solução
Dizer como se faz
Agora curar-se dos próprios vícios doentios
Não é capaz
Apontar
Determinar
Estipular
Tudo que implica outrem
É melhor que se policiar
Ser o tal
E não agir como o tal
Isto é regra básica
Sociedade hipócrita
Já virou fato natural
Corriqueiro
Meu pensamento...comentário banal!
Mas tudo bem
Isso não faz mal
Eu também tenho meus erros
Não sou nenhum ser excepcional
E que fique bem claro
Não sou e também não procuro ser
O que sou e porque sou
Só mesmo me conhecendo pra saber
Mas se quiser
Posso adiantar um pouco pra você
Relato o que eu vejo
Me disponho a escrever
Certo, errado, feio, bonito...
Não sou eu quem vou dizer
Interessante, importante, Valioso pra mim
Isto sim
Não é difícil perceber.




Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 2/10/2011 06:41:00 PM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 comentários:

On 11 de fevereiro de 2011 17:42 , RosaMaria disse...

"A maior prisão que podemos ter na vida é aquela quando a gente descobre que estamos sendo não aquilo que somos, mas o que o outro gostaria que fôssemos.
Geralmente quando a gente começa a viver muito em torno do que o outro gostaria que a gente fosse, é que a gente tá muito mais preocupado com o que o outro acha sobre nós, do que necessariamente nós sabemos sobre nós mesmos.
Durante muito tempo eu fiquei preocupado com o que os outros achavam ao meu respeito.
Mas hoje, o que os outros acham de mim muito pouco me importa [a não ser que sejam pessoas que me amam], porque a minha salvação não depende do que os outros acham de mim, mas do que Deus sabe ao meu respeito"

Palavras do Padre Fábio de Melo
Queria compartilha-las com você!

Bom fds!
beijos

 
On 13 de fevereiro de 2011 21:14 , Michelle Buss disse...

Olha, meus parabéns! Esse seu texto é a mais pura e sincera verdade. Exatamente assim que acontece na vida...