Autor: Ronaldo Nunes
•2/22/2011 07:41:00 PM

O anseio por compreensão
É compreensivo!
O desejo por aceitação
É aceitável!
E o erro por falta de opção...
É acertado??

Não sei!!
Não vi!! Não sou eu que sou o culpado!

Quem sabe?
Quem disse?
Quem foi que estava ao teu lado?

Tudo é parcialmente permissível
Nada é completamente rejeitado

Tudo é ambíguo
E nada pode ser imutável

Me refiro ao nada criado pelo oTudo
Não o tudo criado peloNada

Nada somos!
E por mais que possamos saber
Se sabe que sabemos quase nada de nada

Mas e o "Tudo"?
Ah!! Este nos guarda...
Enquanto alguns tentam ser ele
Ele nos observa em nossa empreitada.




Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 2/22/2011 07:41:00 PM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 comentários:

On 23 de fevereiro de 2011 00:07 , Angelina Miranda disse...

Que poema bonito... os anseios do homem pela vida e por si mesmo...
"Nada somos!
E por mais que possamos saber
Se sabe que sabemos quase nada de nada"

...sinta, escreva... e que as pessoas se encontrem, se desencontrem e encontre o próximo em suas palavras...

Parabéns!

 
On 23 de fevereiro de 2011 10:33 , Carmen Regina Dias disse...

Para dizer do meu sentir face ao Poema, trago os versos de Gil em Metáfora

"Na lata do poeta tudonada cabe Pois ao poeta cabe fazer Com que na lata venha caber O incabível..."

Em o nada, tudo cabe. Ou, o tudo cabe em nada.

O poema me reporta a Jean-Paul Sartre O Ser e o Nada

"Realmente, só pelo fato de ser consciente das causas que inspiram minhas ações, estas causas já são objetos transcendentes para minha consciência; elas estão fora. Em vão tentaria apreendê-las. Escapo delas pela minha própria existência. Estou condenado a existir para sempre além da minha essência, além das causas e motivos dos meus atos. Estou condenado a ser livre.(...) não somos livres para deixar de ser livres."
Jean-Paul Sartre O Ser e o Nada

Inevitável reportar-se a mente ao conhecimento
que se tem da filosofia oriental em que o Nada
náo é vazio.
Só chega ä compreensáo da ConsCiëncia após conduzir a mente ao Nada.
Onde Tudo está.

Náo sabemos quase nada de nada porque ainda estamos caminhando em brumas em sua direçao.

Salve o Poeta! "A poesia prevalece." E só poesia permanece.