Autor: Ronaldo Nunes
•3/26/2011 01:16:00 PM

Conversa afiada
Gladiador e a espada
Um diz que é cortante
O outro fala que mata

A espada com sua lâmina inigualável
O gladiador com seu fervor incontrolável

Ambos tem serventia para o bem e para o mau
O gladiador não sabes por quem luta
E a espada faz a carnificina ser real

A espada não mata e nem fere
Se não manuseada
O Gladiador não fere nem mata
Se a irá não o devasta

Ambos movido por algo
Ambos controlados por algo
Fato sem controle

O descontrole toma conta do gladiador
Que controla sua espada indeferível

Que defere um golpe contra alguém

Não tem controle da situação
Gladiadores que matam e morrem
Todos os dias em vão
Dominados de ambos os lados
Pela espada e o seu poder
De persuasão.




Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 3/26/2011 01:16:00 PM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 comentários:

On 27 de março de 2011 00:04 , Carmen Regina Dias disse...

Num primeiro momento salta o link do invisível

"Ambos movidos por algo
Ambos controlados por algo
Fato sem controle"

O que será que move nossos impulsos, no fundo\
e no transfundo dos acontecimentos?

"A espada com sua lâmina inigualável
O gladiador com seu fervor incontrolável"

"...Ambos tem serventia para o bem e para o mau.

O poema convida à consciência.
Quem somos nós? Quem sou eu? O que me move?
O que estou fazendo com as espadas ao meu alcance ...