Autor: Ronaldo Nunes
•3/28/2011 05:50:00 PM

Dizem que não faço o teu gosto
Que sou o oposto
Isso é só o que ouço
Meu moço
Ouvindo isto
Me sinto no fundo do poço

Mas no fundo do poço tem água
Água que mata
Água que lava
Mata a sede do homem
Água que lava minh'alma

E no renovo
O desejo me arrebata
De lhe ter em minha vida
De que esse amor me dê asa
Asas para voar
Asas para sair desse lugar

Lugar aonde me vejo
Lugar aonde não podes me achar
Farei o que preciso for
Para sair daqui
E conquistar teu olhar.



Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 3/28/2011 05:50:00 PM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

4 comentários:

On 28 de março de 2011 18:39 , Iara disse...

Todo poeta tem asas para ir onde desejar, todo poeta tem asas que o permitem voar.
Todo poeta tem palavras para conquistar um amor ou para consola-lo caso seu amor tenha outro amor.

 
On 28 de março de 2011 18:47 , Sandra Cajado disse...

A água da vida é que nos inspira a fazer arte,poemar sentimentos!

Parabéns!

 
On 28 de março de 2011 19:03 , Angélica Lins disse...

Mover-se e mostrar-se para o amor é algo sublime.

Poema Inefável!

Reverbera em mim.
Beijo

 
On 28 de março de 2011 19:33 , Brasigrega disse...

Interessante a sua brincadeira com o visual das palavras!!!
Gostei!