Autor: Ronaldo Nunes
•7/04/2011 10:13:00 AM

I
Estou afogando as mágoas
Em um oceano de palavras
Mergulhado nesta turva tinta
Que tinge a cor do desespero

II
Tão azul que se faz de roxo
A ponto de assustar

III
Submergir é preciso!
Ressucita-me agora...
Anseio acordar!

IV
Desacordado ainda agonizo
Quem virá me salvar?

V
Palavras, palavras...
Boca-a-boca...
Massageia o toráx
Tentam me reanimar

VI
Folha branca, salva-vida
Que as palavras não me afoguem
E que quando ainda que esteja desacreditada
Com as linhas se esvaindo
Continue!
Pois só tu
Ainda tu
Tu que podes me resgatar.



Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 7/04/2011 10:13:00 AM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

3 comentários:

On 4 de julho de 2011 11:22 , Angélica Lins disse...

Quando a gente mergulha sem medo de afogar, isso já é resgate.

Aplausos em pé.
Beijo

 
On 7 de julho de 2011 10:24 , RosaMaria disse...

Perfeita entrega!

Versos lindos!

Te adoro

Bjs

 
On 10 de julho de 2011 16:40 , Zinah Alexandrino disse...

Belo poema...as imagens dizem tudo da tua verve multifacetada!Pois és um poeta singular.Continues nesse exercício do oficio do verso,porque é a nossa melhor catarse.Boas fruições poéticas, amigo!