Autor: Ronaldo Nunes
•6/02/2012 11:00:00 AM



O tempo se esvai
Como grãos de areia
Que ao tentar agarrá-los
Escapam-me por entre os dedos.

O tempo que tenho, não é meu.
Não tem dono...
Domina-me e dita à ordem cronológica dos fatos.

O tempo não para,
É escasso.

"O tempo é Rei!"
E eu, pobre capacho.







Ronaldo Nunes
|
This entry was posted on 6/02/2012 11:00:00 AM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 comentários:

On 3 de junho de 2012 17:44 , RosaMaria disse...

O tempo é o rei, o servo, o sábio, o louco.

Ele leva as perguntas e devolve as respostas, nem sempre como precisamos, mas as mais corretas possíveis.

Um beijo meu amigo poeta.
Amo te ler.

 
On 6 de junho de 2012 23:14 , Poupée Amélie™ disse...

"o tempo passa e no entanto ele nunca envelhece", Ronaldo.
o tempo nos dá e também nos rouba. é cura e mal. o tempo é senhor de todas as coisas.

mágico o que se vê/lê por aqui! um beijo!

(obrigada pela visita e pelas palavras registradas no meu blog)