Autor: Ronaldo Nunes
•7/30/2012 12:46:00 PM

Abaixo o som daquela canção que tanto gosto...
Preciso escutar-me em versos
Diminuo um pouco mais... Nesta altura, ainda não posso ouvir-me.

Tenho tanta coisa para dizer,
Tanta desculpa pra pedir,
Tanto afeto pra dar,
Tanto erro pra reconhecer,
Tanta vontade em acertar...

Neste momento, desconheço-me ao tentar reconhecer os meus propósitos.
Perco-me! Pois tudo foge da lógica, sou contraditório...
Reticências e insistências... Reticências, insistências... Persisto!
Mas porque insisto?
Visto conflitos, confusões, desilusões, repito... Sou contradito.
Sou o que sou ou o que penso ser? Será? Serei? Reflito...

Meu Deus, porque tem que ser assim?
Opa! (...) Espera.
Nunca fui de reclamar...
Sempre enfrentei de cabeça erguida às adversidades.
É verdade que só agora
reconheci-me adversário de mim mesmo.
Por isso, indago-me...
Qual de mim vencerá?
O covarde, o errante, o orgulhoso, o sincero, o sensível, o amante?

Preciso aumentar o som... Já estou farto desse drama.
Não aguento mais essa minha voz de tinta
Que grita no silêncio dessa folha branca.

Discussão feia. Assusta, afasta alguns, chama a atenção de outros...
Tudo se fala, nada se diz.
Mas olha...
Apaziguar,
Foi só o que quis.




Ronaldo Nunes

|
This entry was posted on 7/30/2012 12:46:00 PM and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

0 comentários: